sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

A parada de Angra I


Usina nuclear Angra 1

A usina nuclear Angra 1 foi desligada do Sistema Interligado Nacional no último Sábado, 05 de Janeiro, para reabastecimento, troca da tampa do reator e inspeção e manutenção de equipamentos e componentes.

Angra 1, inaugurada em 1975, produz 640 megawatts (MW) de energia, o que corresponde a cerca de 1% da geração nacional. Embora em meio ao problema dos baixos níveis dos reservatórios das hidrelétricas, o desligamento da usina de Angra 1 já havia sido previamente acordado com o Operador Nacional do Sistema.

Paradas programadas como esta acontecem a cada 12 meses, aproximadamente, e duram cerca de 35 dias. Esta parada, no entanto, será mais longa que o normal - a previsão é de 56 dias - devido à troca da tampa do reator.


TROCA DA TAMPA DO REATOR

A tampa serve para fechar o vaso do reator (dentro do qual ficam os elementos combustíveis) e é uma das barreiras contra a liberação de radiação para fora do reator. É uma peça grande (cerca de 3 metros e meio de diâmetro interno) e pesada (40 toneladas), feita de uma liga metálica muito usada na década de1970: o Inconel 600. Sabe-se hoje, no entanto, que essa liga pode sofrer corrosão sob tensão e, para evitar problemas no longo prazo, a Eletronuclear resolveu fazer a troca preventiva da tampa. A animação a seguir explica como será feita essa troca.


 
REABASTECIMENTO DO COMBUSTÍVEL

As paradas programadas da usina são importantes para, dentre outras coisas, aproveitar melhor o combustível nuclear. Em cada recarga, troca-se cerca de um terço dos elementos combustíveis do vaso do reator: Angra 1 tem 121 elementos combustíveis dos quais 40 serão substituídos por novos.

Isso porque dentro do reator nuclear, o combustível "queima" de forma desigual: os elementos combustíveis localizados no centro do reator sofrem mais fissões (ou seja, "queimam" mais) que os elementos da periferia do núcleo. É por isso que trocando-se uma parte dos combustíveis queimados por novos e remanejando os demais, consegue-se aproveitar mais o combustível que não "queimou" tudo o que podia ainda.

O combustível trocado é transferido para a piscina de combustível usado localizada no prédio do próprio reator. O vídeo a seguir mostra como é feita a troca do combustível de Angra 1.






CUSTOS E MÃO-DE-OBRA

O custo das paradas da usina Angra 1, correspondente às despesas com pessoal, serviços contratados, equipamentos substituídos e número de dias de paralisação, varia dependendo dos serviços específicos programados para cada uma delas. Segundo a Eletronuclear, os valores das cinco últimas paradas de Angra 1 foram da ordem de R$ 30 milhões a R$ 40 milhões (sem contar a recarga de combustível). Já para a troca da tampa do reator nesse ano, o valor total do investimento é de US$ 27 milhões, englobando a aquisição e a instalação da tampa nova e o armazenamento da antiga.

Foram contratadas firmas nacionais e estrangeiras que irão disponibilizar trabalhadores temporários para dar suporte aos profissionais da Eletronuclear. Durante a fase crítica do projeto, até 1.500 trabalhadores estarão envolvidos na realização das atividades planejadas para o período.


Para saber mais

Eletrobras Eletronuclear inicia operação de substituição da tampa do reator de Angra 1


Posts relacionados

Brasil completa 30 anos de uso da energia nuclear com avanços tecnológicos e críticas

Usinas de Angra batem recorde de geração em 2011

Um pouco de fissão nuclear

Como funcionam os reatores nucleares?

5 comentários:

  1. Olá Pamela,

    Desculpe "abusar" do seu sistema de comentários desta forma.

    Sou leigo em energia nuclear (minha formação é em Computação), mas muito interessado nas possibilidades da tecnologia para o desenvolvimento de uma indústria energética mais eficiente e limpa. Desde 2011 tenho acompanhado o assunto de perto, e tentado esclarecer as pessoas à minha volta sobre seus reais riscos e oportunidades.

    Com esse objetivo criei hoje meu próprio blog, "Somos Todos Radioativos" [ http://somostodosradioativos.blogspot.com/ ]. Ele tem apenas dois posts no momento, mas deve crescer rapidamente, à medida em que adiciono material traduzido de fontes internacionais e reaproveito textos de discussões de que participei. Como tenho bastante material acumulado, em um primeiro momento penso em fazer um post por semana. Quando o backlog se esgotar... Veremos.

    Enquanto isso, espero que possamos colaborar para promover uma discussão mais esclarecida e racional sobre energia nuclear no Brasil.

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Olá Hélio,

      pode abusar do espaço sim, pois a notícia é boa: gostei muito da proposta do seu blog e da forma como você escreve.

      Vou ficar de olho nele!

      E vou já adicioná-lo aos meus blogs recomendados, pois seu blog promete!

      Sucesso e manteremos contato.

      Excluir
  2. Olá Pamela,

    Trocadilhos à parte, obrigado pela força! :P

    Já está no ar um novo post. Na verdade a pauta que eu tinha em mente para esta semana era outra – a tradução de um editorial de Robert Hargraves sobre as superstições em volta da energia nuclear – mas até que o artigo sobre reatores WAMSR não ficou mau.

    ResponderExcluir
  3. O Blog parou? Eu usei alguma coisa como referência para o wikipedia.
    Há muita coisa errada e incompleta por lá. Depois descobri que este blog não pode servir de referência, de acordo com as regras do wiki...

    Espero que volte!

    ResponderExcluir
  4. Nice artigo mas parece alguma informação faltando nele você pode olhar para obter mais informações sobre a série
    Siddhagiri metals and tubes

    ResponderExcluir